Gerir igrejas é um desafio diário para pastores, líderes e administradores. Lidar com as finanças da congregação, compreender as necessidades da membresia e acompanhar o progresso de células exige um trabalho constante de análise e busca de soluções.

Nós, da inChurch, entendemos que a realidade administrativa das igrejas é complexa, mas também sabemos que tudo pode ser descomplicado com as técnicas e ferramentas certas. Pensando nisso, apresentamos desafios comuns em três áreas de gestão – finanças, membresia e células – e apresentamos caminhos para superá-los.

Gestão financeira

Um dos maiores desafios que as igrejas enfrentam é a utilização de técnicas apropriadas para a gestão financeira. Apesar de terem imunidade tributária (conforme determinado pelo artigo 113 do Código Tributário Nacional), as igrejas não estão isentas de obrigações acessórias, devendo prestar contas à Receita Federal. Para honrar deveres legais e maximizar resultados, é fundamental que a congregação organize minimamente as finanças.

Nesse sentido, o primeiro passo é centralizar os recebíveis e gastos, abrindo uma conta bancária com o CNPJ da igreja. Em seguida, é preciso construir um plano de contas contábil: categorize suas despesas e receitas e defina centros de custo e recebimento. Desta forma, é possível apurar os gastos e as entradas de cada departamento com muito mais precisão, o que facilita o processo de tomada de decisões.

Feito isso, determine um orçamento anual, ou seja, estime quais serão as despesas, as receitas e os custos da igreja nos próximos 12 meses. Além de facilitar a administração dos recursos financeiros, o documento também minimiza chances de imprevistos ao final do mês e possibilita investimentos mais conscientes, tanto no templo quanto nas pessoas dentro (membros) e fora (comunidade local) da congregação.

Também é muito importante que a igreja organize os documentos contábeis em suportes eletrônicos. É possível armazená-los em um serviço em nuvem, como Google Drive ou Dropbox, e distribuí-los em pastas cujos nomes facilitem buscas futuras para eventuais apresentações aos órgãos fiscalizadores.

Por fim, obtenha um sistema de gestão financeira. Dê preferência a softwares que sejam integrados aos seus dispositivos de entrada (maquininha de cartão, totem de autoatendimento, site e aplicativo, entre outros), para que a igreja possa concentrar todas as fontes de receita em um só lugar e otimizar a gestão dos recursos.

Gestão de membresia

Gerir pessoas é um desafio em qualquer empresa ou instituição, e na igreja isso não é diferente. Para garantir um crescimento saudável e um discipulado próximo, as congregações precisam entender bem as necessidades e as características dos membros que a compõem. Mas como fazê-lo? 

Uma das melhores formas de mapear o perfil dos fiéis é a partir de um banco de dados com informações pessoais (nome, data de nascimento, endereço, estado civil, telefone etc). O ideal é que esses dados sejam armazenados em uma plataforma com acesso em nuvem, que permita fácil atualização e ofereça recursos de segmentação.

Ao segmentar a membresia, a igreja consegue emitir comunicados mais precisos, personalizar o tratamento com as pessoas, direcionar membros para determinados ministérios e até mesmo mapear oportunidades para a abertura de células. Tudo isso contribui para melhorar a experiência da membresia na congregação.

Gestão de células

Em geral, as células são grupos reduzidos e, por isso, permitem acompanhar os participantes de forma muito mais próxima. Mas isso não significa que a gestão dessas reuniões seja menos desafiadora ou deva ser deixada de lado. Pelo contrário: é preciso gerir os pequenos grupos com eficiência para que as pessoas se sintam pertencentes à comunidade e para que a igreja cresça em qualidade.

Em primeiro lugar, é fundamental que a igreja concentre, em uma única plataforma, os endereços de todas as células. Aliada à segmentação de membresia, essa listagem não só permite melhor organização, como ajuda a encaminhar novos membros para grupos mais próximos do local onde eles moram.

Lembre-se de que tão importante quanto a proximidade é a adequação ao perfil do visitante. Afinal, você pode encaminhar um adolescente para uma célula a 500 metros da casa dele, mas, se a reunião só tiver participantes idosos, ele provavelmente se sentirá deslocado.

Além disso, como as células costumam ser a porta de entrada na igreja para muitas pessoas, é necessário cadastrar os visitantes da reunião e manter o registro sempre atualizado no sistema. Quando sabem exatamente quem está se conectando com o grupo, os líderes podem se preparar para iniciar um ciclo saudável de relacionamento e garantir que a célula seja um ambiente acolhedor. 

Por último, é muito importante gerar relatórios de frequência. Com esses dados em mãos, o líder pode não apenas avaliar a consistência da assiduidade dos participantes, mas também fornecer elementos para que os supervisores os ajudem com possíveis problemas que impedem a multiplicação e entregar um diagnóstico preciso ao pastor para que ele possa conduzir a igreja a ser frutífera.


A inChurch oferece soluções em gestão financeira, gestão de membresia e gestão de célula. Fale com nossos especialistas e descubra como podemos ajudar sua igreja. 

Receba as melhores dicas de comunicação e gestão direto no seu e-mail